Escuta

“… Não pode haver ausência de boca nas palavras: nenhuma fique desamparada do ser que a revelou. Meu avesso é mais visível do que um poste. Sempre que desejo contar alguma coisa, não faço nada; mas quando não desejo contar nada, faço poesia. As palavras me escondem sem cuidado. Aonde eu não estou as palavras me acham. Há histórias tão verdadeiras que às vezes parece que são inventadas. Uma palavra abriu o roupão para mim. Ela deseja que eu a seja. A terapia literária consiste em desarrumar a linguagem a ponto que ela expresse nossos mais fundos desejos…”
(Manoel de Barros, Livro sobe o Nada).
___

A psicanálise é este fenômeno de “desarrumar a linguagem” que opera entre a fala – que ocorre por meio de associação livre (o que vem a cabeça, sem censuras, julgamentos ou amarras) – e a escuta interpretativa do psicanalista. Ela é o entre, o espaço vazio que permite o novo, o buraco que acolhe a semente.

Assim, a psicanálise pode ser pensada como uma travessia por meio da linguagem na qual traumas, anseios, angústias e outros fenômenos tomam forma pela via da palavra. Com isso permite afrouxar as amarras, a aderência da cicatriz na pele e construir outros caminhos para o sintoma. A consequência é tornar-se sujeito da própria história. Desvelar é revelar, re-ver, é fazer “lar”. A palavra é isca. Se ela pode ferir, ela pode curar.

PALESTRAS, CONSULTORIAS E CURSOS

Diferentes abordagens metodológicas para pensar, discutir e qualificar grupos e/ou instituições. Temas: Ética, Bioética, Amor, Perdão, Liberdade, Conflitos e violência, Gênero, Autodeterminação e Autonomia, Discriminação e Racismo.

Para contratação, envie um email para contato@samanthabuglione.com.br

CURADORIA

Curadoria é uma forma de cuidado. De zelar e de tratar a criação humana na sua expressão artística:fotografia, literatura, cinema, teatro, dança…

Ao curador cabe a comum-ação, a comunicação, as pontes, a narrativa visual e escrita. No final dos anos 90, quando conclui uma pesquisa de iniciação científica na faculdade de direito sobre o sistema prisional feminino, a forma de comunicar os resultado se deu, além da via cientifica, também por meio da arte com uma exposição fotográfica. Ali estava o germe deste trabalho de curadoria. Recentemente um curso em arte contemporânea na universidade de Bolzano e o consequente estudo na Bienal de Veneza de 2019 me permitiram importantes aprimoramentos técnicos.

Contato: contato@samanthabuglione.com.br 

LITERATURA

Carimbos (2020).

Algumas marcas nos chancelam, outras nos definem.
Poucas nos libertam.
Marca é carimbo. É o ka’rimbu, do quimbundo, língua africana falada do nordeste de Angola. Kirimbu é nascente e algumas marcas nos nascem. Quem é meu dono?
O povo marcado nos deu a palavra que marca, qual palavra damos nós as nossas marcas herdadas, as marcas eleitas, as marcas negadas?
Este livro em contos conta, através de personagens e histórias fantásticas, algo deste realismo cotidiano que chamamos, ingenuamente, de vida real. São contos sobre diferentes momentos dessa vida, as vezes alheia, vivida por nós. Este livro é um convite e uma confissão, umas acima de tudo, é uma prece.
Ka’rimbu ka pref. de dim. + rimbu ‘marca

Para adquirir o livro acesso o link:
Versão Impressa 

Quatro Contos de Quarentena (2020).

Reunião de quatro narrativas curtas ambientadas no período de isolamento social decorrente da pandemia de Covid-19.

Para adquirir o livro acesso o link:
Versão E-book 1
Versão E-book 2

Somos Instantes (2018).

Somos Instantes (2018) é um livro de poesias que explora o amor como uma tormenta. Como livro objeto ele convida a rasgar a capa para desvelar o titulo. Tal qual as tormentas, que não são nem boas nem mas, o amor é um fenômeno sem moralidade. Dedicado aos amores sem forma, sem destino e sem tempo o livro está dividido em três partes: Cumulo [nimbus], Tempo [real] e Calma[ria], ou, dito de outra forma: caos, harmonia e risos. Para adquirir o livro acesso o link:
Versão impressa

Os tons do amor: pequeno preambulo (2018).

Há várias formas de dizer o que é o amor. E em todas elas é possível identificar que o amor é tanto uma força cósmica de aproximação, quanto uma capacidade humana. Tal qual um prisma, ou uma pintura que faz uso da técnica do velado para as cores, os vocábulos que falam de amor são tons que pertencem a uma mesma luz. Cada um tem uma força específica e a força de uma relação. E, ainda nessa lógica, eles podem ser pensados a partir de diferentes perspectivas morais ou culturais. Ao fim e ao cabo, falar de amor é falar de si, desse ser que observa e experimenta o mundo e o mundo a ele. É pensar por outro caminho, ou pelo caminho possível, a velha máxima do “conhece-te a ti mesmo”. Principalmente quando percebemos que somos um constante processo de expiração e inspiração entre e durante as nossas experiências.  O amor, assim, seria um sintoma do nosso autoconhecimento, a expressão mais linda de como vivemos quando cheios de nós mesmos. Se nos desabrochamos para o amor permitiremos a ação livre e, enfim, a liberdade (…). Para adquirir o livro “Sobre o amor e seus tons” acesse: 
Versão impressa
Versão E-book
Versão E-book inglês

Conheça um pouco mais pelo ISSUU
O Amor e suas vontades em sete atos e uma advertência (2017).

Nesta publicação o amor surge em poesias a partir de cada um dos discursos do Banquete. Para isso, a autora dialoga com Platão através de Fedro, Pausanias, Eriximacos, Aristófanes, Agatão, Sócrates e Diotima. E conversa com os poetas de hoje. Cada um dos atos, materializados em textos poéticos, nasce de um dos discursos, feitos de forma breve e fruto do nosso tempo e das próprias experiências da autora. 

Para adquirir o livro “O amor e suas vontades” acesse: 
Versão impressa
Versão E-book

Conheça um pouco mais pelo ISSUU
Direito, Ética e Bioética: Fragmentos do Cotidiano (2010).

Através de textos curtos e de uma linguagem coloquial a autora aborda temas complexos e delicados que envolvem conflitos morais, ética, bioética e justiça.

Direito à Reprodução e à Sexualidade:  uma Questão de Ética e Justiça (2010).

Esta obra organizada por Samantha Buglione e Miriam Ventura e com artigos de diferentes pesquisadores buscou provocar uma reflexão sobre temas nevrálgicos de conceitos como igualdade, justiça e ética e a relação destes com o papel do Estado nas garantias individuais e coletivas.

Entre a Dúvida e o Dogma: Liberdade de Cátedra e Universidades Confessionais no Brasil (2006).

O livro de autoria de Samantha Buglione, Roger Raupp Rios e Débora Diniz  aborda um tema importante e até então não discutido no Brasil: a tensão entre a liberdade de cátedra e a autonomia das universidades confessionais.

Reprodução e Sexualidade: uma questão de Justiça (2002).

De autoria conjunta, este livro organizado por Samantha Buglione traz diferentes pesquisas e estudos envolvendo direitos sexuais e reprodutivos, sendo uma das primeiras publicações do tipo no Direito.

Quem Pode Ter Acesso às Tecnologias Reprodutivas? (2002).

Este livro foi resultado da parceria de duas ONG: Anis e Themis e teve como objetivo incentivar e difundir análises críticas sobre temas relacionados à ética e à justiça, reafirmando a importância da perspectiva dos estudos de gênero. A publicação foi resultado de um seminário com o mesmo nome realizado em Brasília e tem como organizadoras Samantha Buglione e Débora Diniz. ESGOTADO

Para maiores informações, entre em contato.