PALAVRAS

um estudo sobre nós

O mal é uma chance. Tal como o sintoma de uma doença que nos desperta para uma desarmonia no corpo, o mal nos acorda para a percepção de uma ausência, de uma humanidade que se perdeu ou não se realizou. O mal pode ser pensado como o espaço vazio deixado pelo “não ser humano”, ou como a nossa desatenção ou dormência. Devendo, portanto, ser integrado e amado. Goethe traz o mal sem definições ontológicas ou éticas. O mal, portanto, só é possível de ser pensado em uma relação. Tal como o espectro das cores, o mal e o bem podem ou ser vistos como opostos ou como complementos. Nas cores não há moralidade, apenas equilíbrio, apenas frio e calor. O excesso de um extingue o outro. Entender o mal é entender a nós mesmos e a magnífica sombra que denuncia a existência da luz.

Objetivo: Pensar o mal, seu sentido, natureza e potência.

Metodologia: Uso da literatura, especialmente Fausto de Goethe; da ciência, no estudo sobre as cores; e da filosofia.

Para além de quatro palavras, visite meus esboços e conheça o que me inspira. Permitir-se uma pausa é inspirar-se também.

Lançamento do livro “Os tons do amor: pequeno preambulo”

Há várias formas de dizer o que é o amor. E em todas elas é...
Continue Reading

O amor e suas vontades

Podemos falar de amor por muitos caminhos. Minha proposta é discutí-lo por meio das categorias...
Continue Reading

Panorama Biográfico

Foi um encontro de três maravilhosos dias no Rancho MC em Mandirituba, no Paraná, para...
Continue Reading